-   -  Saturday 19th of June 2021 -  www.kaluach.org

Quem esta on-line

Nós temos 18 visitantes online

Facebook Friends

Connect with Facebook
Home Lendas Tropicasher 3001 UMA IDISHERAI NO SPA
Adicione no Facebook Adicione no MySpace Siganos no Twitter Veja os videos no Youtube
3001 UMA IDISHERAI NO SPA PDF Imprimir E-mail
Escrito por Paulinho Rosenbaum   
Dom, 05 de Junho de 2011 03:40
AddThis Social Bookmark Button

3001 UMA IDISHERAI NO SPA

Glossário no final da pagina

Data Cósmica: 3 de Elul de 5825

- Moishe... oy... Moishe... oy... oy vey!

- O que foi, Yankel? Shtá com nisht-guit?

- Oy... Moishe... yo non consegue maish andar no esteira ralante...

- Ora vamos, Yankel, só mais dois anos luz e você perde toda a Lashón Hará, vamos, força!

Moishe e Yankel haviam comprado um pacote completo no Spa 3001 Tropicasher.

Em 5825 já não haviam problemas físicos nem doenças e a longevidade chegava aos 750 anos.

As pessoas só comiam alimentos do tipo Fabenaengo (Faz bem paca e não engorda).

A pobreza havia sumido, os políticos trabalhavam como voluntários, os bancos a muito só emprestavam dinheiro para quem realmente precisava e os mais ricos avalizavam com prazer.

Mas alguns probleminhas sociais ainda eram reticentes:

O maior deles era o da Lashón Hará.

A Torá diz que falar Lashón Hará impede a pessoa de se aproximar a Hashem.

Como já estávamos no dia 3 de Elul, a menos de um mês de Rosh Hashaná a Idisherai corria para os centros de emagrecimento de pecados para ver se perdiam Averót e faziam Teshuvá.

Para facilitar a teshuvá e torna-la prazerosa para a Idisherai, o Tropicasher lançou um sistema de exercícios para eliminar Lashón Hara e outras enfermidades que ainda existiam acoli e acolá.

A técnica do Spa3001 Tropicasher se baseava no fato que o sofrimento redime os pecados.

Assim, aliado às aulas de Torá, Ética Judaica e Leis de respeito ao próximo, os clientes andavam sem parar numa esteira que os fazia ralar até ficarem com a língua de fora, o que por um lado os inibia de falar Lashón Hará pois minava suas forças físicas e por outro servia de Caparát Avonot.

Daí o nome de esteira ralante.

Apesar de já não precisarem mais de mamatas naquela época, o Spa 3001 Tropicasher desenvolveu um sistema de pagamento que o deixou famoso e estimulou a procura: cada cliente pagava somente T$1 de entrada e um cheque pré-datado de T$3000 para depois de Rosh Hashaná.

Caso os pecados da pessoa diminuíssem como decorrência do tratamento no Spa, os $3 mil restantes seriam restituídos, cobrando apenas as despesas do Spa, que giravam em torno de T$2999. Assim a turma ficava mais motivada a diminuir pecados para recuperar pelo menos 1T$.


- Seu Tropicasher, desculpa entrar assim no meio da sua estória mas... como as pessoas saberiam se os pecados diminuíram ou não?

Ótima observação, coleguinha, você acaba de ganhar um desconto de $1 no Spa Tropicasher!

Naquela avançada era, alguns cientistas-rabinos haviam desenvolvido um computador capaz de detectar os pecados de cada um e avaliar seu possível grau de rendimento se fizessem teshuvá.

O computador tinha um sistema de avaliação da aura da pessoa, assim como de sua Neshamá.

Era o avançadíssimo Neshamonic-613 Ultima Geração (a geração da era do Mashiach)

- Mas seu Tropicasher, a gente pode usar tecnologia para avaliar a alma das pessoas?

Caso seja para seu próprio beneficio e para aproxima-las de Hashem, deve.



- Sr. Moishe, aqui está o seu suco de mamão da antartikosher, já pode descansar.

- Ainda bem, eu já estava com o Neshamá saindo pela boca, nunca mais falo mais Lashón Hará !

- Dona Médico, o que shtá aquele senior pulando no frente do caixinha?

- Esta fazendo o Tsedacômetro, um aparelho que mede a pulsação da pessoa na frente da caixinha de Tsedacá. Cada vez que ele pula para por a moedinha o Tsedacômetro mede sua intenção e o mostrador acusa os níveis: "Tsadik", se a pessoa deu a Tsedaça com a maior das boas vontades, "Beinoni", se a pessoa deu mas sente remorso e "Rashá" se a pessoa pula, cospe na caixinha e enfia a moeda de volta no próprio bolso.

- E aquela outro ali, o que shtá faz?

- Aquela é a bicicleta egométrica: mede o ego das pessoas. Se a pessoa fica se olhando no espelho enquanto pedala acusa o nível "chomri" mas se estuda Torá enquanto soa acusa o nível "ruchani". Isso vale um desconto enorme de muitas Averót no computador...

- Atenção, atenção, todos ao A.T.R.I.O.M.!

- Atriom? O que é yesthe, Moshe?

- Aula de Torá com Rabino de Israel para Omens e Mulheres



- Mas Omem não era com "H", dona Médico?

- Aqui Omen só tem "H" depois que estuda Torá e recebe o H do nome de Hashem



continua no próximo capítulo



Como prometido, glossário no final da pagina

lashón Hará = comentar a vida dos outros.

Rosh Hashaná = o inicio do Ano Judaico, dia do Julgamento da humanidade e das espécies.

Idisherai = os Judeus do pedaço, em Idish.

Averót = pecados, transgressões

Teshuvá = corrigir os maus feitos

Caparát Avonot = expiação dos pecados

Parnassá = sustento

Cashrut = alimentação de acordo com a Torá

Ahava = amor ao próximo. Amor na Torá significa fazer o bem a outrem.

Neshamá = alma

Tsedacá = praticar o bem, doar dinheiro, tempo ou outras posses para os necessitados

Chomri = materialista

Ruchani = espiritual






 

LAST_UPDATED2
 

Banners

Banner


Guper, website, sistemas web e mídias sociais