-   -  Saturday 19th of June 2021 -  www.kaluach.org

Quem esta on-line

Nós temos 19 visitantes online

Facebook Friends

Connect with Facebook
Home Porções da Semana Bamidbar (Números) Parashá da Semana - Pinchas
Adicione no Facebook Adicione no MySpace Siganos no Twitter Veja os videos no Youtube
Parashá da Semana - Pinchas PDF Imprimir E-mail
Escrito por Paulinho Rosenbaum   
Sáb, 04 de Julho de 2009 23:17
AddThis Social Bookmark Button

VINHO x BATIDA DE CAJU

Uma vez cheguei ao Brasil logo no dia do Jejum de 17 de Tamuz, que começa o luto pela destruição de Jerusalém e foi o dia de quebra das Tabuas da Lei por Moshé rabeinu, e que vai até o dia 9 de Av, dia mais calamitoso do calendário judaico. Se o Mashiach chegar antes, bye bye jejum e bye bye galut.

Como eu estava de jejum, não pude bebericar a batida de caju que estava sendo servida aos chegantes no Brasil no aeroporto, por uma baianinha á rigor. 

 Ah... nada como uma batidinha de maracujá, de limão, de caju e outros més tropicais. Tudo isto pode ser casher, desde que feito somente com frutas e pinga. Mas não pode ter vinho a menos que seja Casher, com supervisão rabínica. Porque só o vinho tem tamanha restrição?

Um dos motivos para esta regra básica da dieta Casher está nesta parashá:

Pinchás recebeu o premio da Paz de Hashem por ter impedido que uma epidemia extremamente peçonhenta se alastrasse pelo povo judeu no deserto do Sinai. Já iam morrendo lá umas vinte e quatro mil pessoas, quando Pinchás não se aguentou mais dentro das calças e resolveu espetar, juntos, um príncipe israelita que estava sem calças e sua namoradinha midianita, que o havia bebericado com vinho para colocar abaixo seu senso de recato público.

Hashem criou o homem e a mulher para que se completem.
Criou e santificou o casamento para que eles possam se amar.
Abençoou o sustento do homem casado para que viva em paz com sua mulher.
Tudo para que o homem seja feliz. Tudo mesmo.

Mas Hashem "engole" baixaria.

Bilam, Balak, Edom e alguns povos menos votados não conseguem destruir Israel.
Então apelam para a miscigenação, para a mistureba carnal adoidada e sem fronteiras.

As mocinhas de Midian teriam convidado rapazes israelitas para um drinkezinho amigo, seduzindo-os e fazendo-os servir o ídolo Peor, que era idolatrado de uma maneira tão shtink (fedida) que temos até vergonha de contar aqui. Acabaram levando a Peor.

Por isso nossos rabinos permitem tomar somente o vinho casher, qualquer que seja a sua marca ou pedigree. O vinho pode ser baratinho, daqueles com rosca, ou um excelente tinto israelense, um soberbo francês, ou chileno, italiano e até argentino, mas tem de ser casher.

Porque o vinho é utilizado para sacramentar uma pá de coisas no judaísmo, a começar pelo casamento. Hashem quer que a gente comece a vida conjugal com o pé direito, por isso nos faz beber vinho logo de cara, debaixo da Chupá.

Quando o vinho vem de Hashem, tudo vai bem.
Quando não vem, não vem que não tem.

Lechaim.

(este Tropicasher foi feito no Rio de Janeiro em 2002)

LAST_UPDATED2
 

Banners

Banner


Guper, website, sistemas web e mídias sociais